quarta-feira, 7 de maio de 2014

Gordo é Engraçado! Será?

Olá a Todos!!!

De uns tempos pra cá passei a me considerar mais séria, talvez mais madura, ou não..

Será que eu realmente amadureci em tão pouco tempo, ou eu estou deixando de lado certas atitudes?

Antes eu queria chamar a atenção, falar mais alto e contar as melhores piadas. Enfim, queria ser engraçada a todo custo, queria ser reconhecida como uma pessoa descolada e divertida. Mas eu não era feliz, já que durante este período eu tive muitas crises de depressão e desamor a vida.

Acredito que estas características vieram da minha infância. Eu era uma criança delicada e introspectiva, porém com alta deficiência visual, e o meu Fundo de Garrafa, como chamavam, era o meu maior rival.


Me taxavam como lerda, pura ignorância de crianças que não sabiam o quanto era difícil enxergar através de um óculos bifocal (na época não tinha o multifocal que eu uso hoje). É tão difícil que adultos não conseguem se adaptar com este tipo de lente. Então eu sempre caia, levava bolada na cara, e por ai vai..

Lembro que nas rodas de amigos na hora do lanche, eu nunca podia participar. Só de lembrar eu choro, pois sofria com a sensação de não ser bem vinda, mas acredito que era pelos óculos, por eu ser uma criança diferente dos padrões. Para vcs terem uma ideia do quanto eu era excluída, lembro de dias que eu ia comer meu lanche dentro do banheiro, sentada no vaso sanitário, pois tinha MUITA VERGONHA de não ter amigos para lanchar no recreio. Eu comia no banheiro e passava o tempo, a angustia e voltava para a sala de aula.

Acho que a partir da minha infância eu aprendi a usar a comida como válvula de escape para passar o tempo e eu não sofrer tanto com coisas que não poderia resolver.

E então eu cresci, passei a descobrir formas de ser mais engraçadinha e piadista. Aos poucos a característica introspectiva foi ficando de lado e eu mais notada, tudo para desviar quem eu realmente era.

Fiz uma cirurgia para acertar meu estrabismo, passei a usar lentes de contato, mas a falta de amor próprio continuava e botei na minha cabeça que eu estava gorda e então veio o Efeito Sanfona até que cheguei na Obesidade Mórbida.


Enfim, continuei utilizando a mesma técnica para desviar as atenções da obesidade e ela foi se aperfeiçoando cada vez mais. Excelentes gracejos e um senso de humor impar. As pessoas querias ficar perto de mim pq eu era divertida, alegre, farrista e tal.

Mas EU NUNCA QUIS SER ASSIM... Sinto saudades da Juliana doce da infância, mas a falta de amor próprio me tornou assim.

Contei esta história pq queria chegar no seguinte ponto. Estou me desligando de duas coisas que me incomodavam muito, na verdade eles continuam comigo, mas passei a aceitar e deixar que tudo se torne motivo para me deixar insegura a ponto de impedir que eu viva bons momentos.

Continuo enxergando muito mal a ponto de ter a posição certa do shampoo e do condicionador, pq senão eu erro o processo, rs.. Mas eu aceito tanto que uso o óculos mais indiscreto do mundo.. 8) #AMO.. O meu peso é o mesmo de quando eu decidi pela primeira vez que precisava fazer dieta, a diferença é que o corpo está bem mais flácido, porém muito mais seguro e sensual, digno de me vestir e só receber elogios, já que bom gosto é da minha natureza..

Enfim, quem nunca ouviu falar que TODO GORDO É ENGRAÇADO... Será que é senso de humor? Ou será que não pq uma tentativa de desviar as atenções?


Ah, e sem esquecer daqueles comentários FULANO EMAGRECEU E FICOU SEM ALEGRIA.. Talvez não seja a falta de comida que tira o humor (como muitos acreditam) e sim a falta de peso que tira a necessidade de ser bobo da corte da sociedade.

OBRIGADA PELA VISITA!!!

Este Blog me faz muito bem e por isso ele existe com muito carinho!!!
e-mail: jujubelasblog@gmail.com
Instagram: http://instagram.com/juju_bela

4 comentários:

  1. Que depoimento lindo! Obrigada por nos deixar fazer parte de um momento tão verdadeiro e tão profundo. Sim, nós criamos máscaras, criamos "personagens", para sermos aceitos, mas apenas poucos de nós temos a oportunidade e a coragem que você teve, de se olhar tão profundamente. Seu depoimento serve para todos nós; principalmente para quem tem filhos! Qual personagem será que - nós, ou nossos filhos - adotamos como máscara ?
    O que essa máscara esconde de verdade ? Parabéns, querida, você tem uma sensibilidade ímpar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ivete,
      Este assunto da pano pra manga até se sairmos da obesidade né..
      Eu que agradeço sempre a sua companhia e apoio...
      Beijossss

      Excluir
  2. Gostei e até me identifiquei bastante com o seu depoimento, força , foco e fé! Breve estarei operada cheia de historias para contar também!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jessica
      Muito sucesso pra vc querida!!!
      Beijosssss

      Excluir